Guia de Seleção para Proteção de Mancais e Caixas de Engrenagens

A selagem dinâmica é um dos grandes desafios em qualquer equipamento moderno.

São dois objetivos essenciais: manter os lubrificantes no interior dos compartimentos dos elementos dinâmicos, e manter os contaminantes fora deles.

Os fabricantes de equipamentos investem milhões

de dólares a cada ano no desenvolvimento e fabricação de vedações cada vez mais eficientes, pois delas depende que não ocorra a entrada de materiais estranhos nem a saída de lubrificantes do interior do equipamento. A contaminação do lubrificante reduz a vida útil dos componentes e causa falhas no seu funcionamento, o que leva a paradas imprevistas que consomem tempo e dinheiro.

Por que os rolamentos falham?

Além disso, os custos de manutenção são impactados!

Qual é o tipo mais comum de retentor?

Retentores de Borracha para Óleo

  • Tipicamente usados para selar óleo, mas também usados para graxa e outros fluidos.
  • Fabricados principalmente de FKM e NBR, borrachas de alto coeficiente de atrito.
  • Vida útil curta, de 1.000 a 3.000 horas, conforme testes. Isso equivale a períodos de 1 a 4 meses de operação.
  • Rapidamente levam a vazamentos e entrada de contaminantes.
  • Provocam marcas e desgaste dos eixos e luvas.

Eixos desgastados requerem duas ações principais:

  • Recuperação: o retrabalho de eixos pode levar a custos altos com desmontagem, serviços, e indispo-nibilidade do equipamento. Além disso, o eixo pode adquirir uma fragilidade que coloca em risco a operação.
  • Substituição: o custo de aquisição ou usinagem de um novo eixo pode ser altíssimo, requerendo ainda a parada e desmontagem do equipamento.

EXPLICANDO EM 6 TÓPICOS O MOTIVO DE CONSEGUIRMOS ENTREGAR UMA PERFORMANCE SUPERIOR

3.1. Estabilidade Química

Compostos de PTFE: o politetrafluoretileno (PTFE) é um material de resistência química quase universal, cuja estrutura molecular pode ser alterada por agentes externos somente em poucas condições. A Chesterton utiliza formulações exclusivas de PTFE com diversos tipos de cargas e lubrificantes, formando um portifólio único de materiais de alta capacidade e resistência.

Poliuretano Termofixo: material elastomérico termofixo de alto desempenho, autolubri-ficado permanentemente através da adição de bissulfeto de molibdênio (redutor de atrito) em sua formulação, sendo compatível com a maioria das aplicações hidráulicas e pneumáticas na indústria.

A formulação exclusiva torna nossos materiais resistentes às reações químicas que levam à absorção de fluidos lubrificantes e umidade, mantendo suas características essenciais para o alto desempenho do projeto durante toda a sua vida útil.

3.2. Estabilidade Dimensional

Poliuretano Termofixo: apresenta ligações cruzadas em sua estrutura molecular, não alterando suas propriedades físicas e desempenho com a variação da temperatura de trabalho.

PTFE: apresentam boas propriedades elétricas, baixíssima permeabilidade e ótima estabilidade térmica, garantindo pouca variação dimensional quando sub-metidos a variações de temperatura.

A formulação exclusiva torna nossos materiais estáveis, mantendo suas características dimensionais para o alto desempenho do projeto durante toda a sua vida útil.

Os elastômeros devem ser armazenados de acordo com as recomendações a seguir, que estão de acordo com as diretrizes fornecidas na ISO 2230:2002 ou DIN 7716:1982.

Orientações Gerais:

  • Armazenamento em local fresco e seco;
  • Umidade Inferior a 65%;
  • Temperatura ambiente;
  • Livre de ozônio/UV/químicos.

SOLUÇÃO TRADICIONAL

SOLUÇÃO CHESTERTON

Enquanto os selos e retentores comuns são sólidos, a Chesterton possui opções de projetos partidos visando:

  • Redução do tempo de parada do equipamento;
  • Maior disponibilidade;
  • Instalação no local (evita movimentação do equipamento);
  • Redução de mão de obra.

Uma dessa opções é o corte Interlock®, que simplifica a instalação no local e reduz o tempo de inatividade do equipamento, eliminando trabalhos complexos e processos de soldagem ou fusão, além de ser um corte extremamente preciso e imperceptí-vel após a montagem.

GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DE LUBRIFICAÇÃO DE MANCAIS

Determinação do fator de velocidade

Fator de Velocidade,

NDm = RPM x (D1+D2)/2

Determinação da Viscosidade do Óleo Base

Guia de Seleção de Graxa

Preenchimento Inicial do Rolamento – % de Espaço Livre

Quantidade de graxa em % de espaço livre do rolamento em vários fatores de velocidade.

Preenchimento inicial do Alojamento

Lubrificação do Lado:

Preencher 40% do alojamento

Lubrificação do centro:

Preencher 20% do alojamento

Para ambientes de alta contaminação ou baixas velocidades:

Preencher até 80% do alojamento

Quantidade de graxa para reabastecimento

Volume de relubrificação com base no tamanho do rolamento e nos intervalos de serviço, para condições ideais.

Para uma aplicação específica, use a Tabela de Frequência de Relubrificação.

Quantidade em gramas (g) = B x A x 0.005

Se apenas as dimensões do alojamento do rolamento forem conhecidas, a quantidade pode ser estimada confirme abaixo:

Quantidade em Gramas (g) = (W x L)/3 x 0,005

Frequência de Relubrificação

Fator de correção de graxa por aplicação

Compatibilidade de Graxa

Funções de um lubrificante:

  • Separação de Partes
  • Redução de Calor
  • Controle de Contaminação
  • Prevenção de Corrosão
  • Reduzir o desgaste dos componentes
  • Suportar a carga

Aceita o desafio Chesterton?

Desafio simples e direto

Através de um estudo de retorno de investimento (ROI) realizado pela Chesterton, demonstramos as economias que conseguimos gerar através de nossas tecnologias. Este será o nosso compromisso.

Como acreditamos fortemente em nossa tecnologia, queremos facilitar a sua decisão de comprovar a nossa solução:

Se o valor de seu investimento na tecnologia atualmente utilizada é mantido (em caso de não entregarmos o compromisso de melhor performance) e o potencial de economia apresentada no estudo ROI é positivo, por que não aceitar o nosso desafio?

Baixe o Guia de Seleção

Conheça as soluções da Chesterton para Proteção de Mancais e Caixas de Engrenagens

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



Más Notas

Como os revestimentos reforçados com cerâmica afetam as práticas de manutenção na indústria de mineração de cobre?

27 de Outubro de 2021

Sabe-se que todas as atividades de mineração têm um problema comum que não só afeta o funcionamento...

O que é Cold Bonding ou Solda a frio?

19 de Julho de 2021

Hoje em dia, em toda a extensão de uma planta industrial, podemos encontrar equipamentos que possam oferecer...

Indústria 4.0: A digitalização de processos focados na manutenção preditiva.

15 de Setembro de 2021

A indústria, como a humanidade, continua seu processo evolutivo de forma acelerada. Em um ambiente altamente competitivo...